21 2273-0041
2273-7546
2293-4829
ID Nextel: 88276*150

De acordo com uma pesquisa da Sobrasa (Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático), os afogamentos são a segunda causa de morte em crianças de 1 a 9 anos no Brasil, sendo que 53% desses óbitos acontecem em piscinas.

A importância do Salva Vidas na piscina

Pensando nesses dados alarmantes, o Congresso aprovou em 2011 o projeto de lei que normatiza a presença de salva vidas em piscinas de uso público e coletivo. A Lei considera piscinas localizadas em clubes sociais e esportivos, estabelecimentos escolares privados e públicos, academias, condomínios residenciais, parque aquáticos e hotéis.

A maioria dos afogamentos de crianças e acidentes com adultos acontecem por descuido, portanto, é muito importante investir nesse item de proteção e estimular a conscientização de pais, empresários e associações a estabelecer várias ações para evitar fatalidades.

De acordo com a lei, o salva-vidas deverá estar uniformizado e posicionado em local estratégico, numa cadeira adequada para o serviço que precisa estar numa altura mínima de 1,50 metros com equipamentos de salvamento disponíveis em local de fácil acesso como boias circulares, tubos de resgates flexível, apitos, coletes salva-
vidas e cilindro de oxigênio.

A presença do salva-vidas em piscinas é muito importante para instruir os frequentadores e prevenir vários acidentes nas piscinas, além dos afogamentos. Os principais motivos de acidentes são:

 Piso escorregadio;

 Brincadeiras de lutas ou “cavalinhos” podem levar as pessoas a bater a cabeça na borda;

 Mergulhos de cabeça em piscinas rasas;

 O uso de álcool que provoca a redução de reflexos e grande parte dos adultos afogam-se por esse motivo;

 Sucção dos ralos, principalmente no caso das mulheres e meninas com cabelos compridos;

 Grade do ralo do fundo danificada, quebrada ou mal fixada;

 Objetos quebrados dentro da piscina como copos podem causar cortes;

Os salva vidas devem ser treinados e credenciados de acordo com as técnicas de salvamento pelo Corpo de Bombeiros para exercer a função como técnicas de ressuscitação cardiorrespiratória cerebral (RCRC) e permanecer durante os horários de utilização das piscinas. Os estabelecimentos que desobedecerem a lei podem ter multas de até 10 mil reais.

POSTS RELACIONADOS